VICIADA EM SANGUE!

Seduzida pelo sangue
Michelle começou a beber sangue ainda na adolescência. Depois de ficar deprimida e se cortar, ficou apaixonada ao ver o sangue escorrendo do seu braço. Decidiu nunca mais cortar-se, mas, a partir daquele momento, não parou mais de beber sangue. Estima-se que, nos últimos 10 anos, a tatuadora já tenha bebido sangue suficiente para encher 23 banheiras, cerca de 4,5 mil litros.
Já a estudante de jornalismo Rafaella Rizzo , de 23 anos, começou com a prática depois de ficar amiga de um grupo de góticos, com quem frequentavacemitérios, em São Paulo. “Nós costumávamos ficar passeando entre os túmulos e bebendo.”
A jovem tinha apenas 15 anos (foto ao lado). “Passei a curtir rock com letras que cultuavam o diabo. Também usava drogas e participava de orgias sexuais.”
Nas festas promovidas pelo grupo, Rafaella sempre procurava alguém para matar a sua sede de sangue. “Eu chegava e falava: ‘Posso sugar seu sangue?’ E as pessoas aceitavam. Eu pegava e chupava tanto o sangue dos pulsos quanto do pescoço. Um amigo meu conseguia cortar a boca por dentro, e eu ficava beijando ele e bebendo o sangue ao mesmo tempo.”
Além disso, a estudante passou a ter experiências bissexuais. “Quando um homem me decepcionava, eu ficava com mulheres. Quando acontecia o contrário, eu voltava a ficar com homens.”
A verdadeira vida
Rafaella hoje (foto ao lado) tem a consciência de que havia um mal dentro dela, que sozinha ela não conseguia enfrentar. “Eu sentia até vontade de morrer. Por várias vezes eu tentei o suicídio. Eu pegava um alicate de unha bem afiado e começava a raspar o meu braço para tentar tirar aquela dor, aquele vazio.”
Em outra oportunidade, ela chegou a ficar parada durante horas na beirada de um viaduto. “Eu fiquei olhando lá para baixo. Era fim de tarde e eu ficava pensando: ‘Me jogo ou não?’” Apesar disso, tudo o que ela queria era que aquele sofrimento e os problemas que a torturavam acabassem.
Quando uma amiga a convidou para ir a Universal, mesmo relutante, ela aceitou o convite. “Eu sentia que precisava mudar. Mesmo que eu estivesse distante de Deus, sabia que se morresse a minha alma iria para o inferno. Eu tinha consciência disso, então resolvi me entregar.” Diferentemente da tatuadora norte-americana Michelle, Rafaella resolveu tomar uma atitude para transformar a sua vida.
Na Universal do bairro da Bela Vista, na capital paulista, ela resolveu aceitar o Senhor Jesus de corpo e alma. “Eu decidi não dar mais espaço para o diabo agir em minha vida e fiz uma aliança com Deus. Deixei os vícios e as relações que me machucavam. Deus me transformou numa nova pessoa. Em tudo o que eu faço, tenho a certeza de que Deus está comigo.”
Se você quer libertar-se dos males que afligem sua vida e lhe impedem de ter sucesso, entre em contato com o Pastor Online e vá até a Universal mais próxima de sua casa.

By Sede Vila Sônia with No comments

0 comentários :

    • Popular
    • Categories
    • Archives